Pescador de Jaú



João Carlos e o irmão Dione
Locação para gravações do Discovery Chanel
Pescador de Jaú e o Ministro da Pesca
Pescador de Jaú com o governador do MS
Pescador de Jaú e o Ministro da Pesca 2010

Como 2º Sargento de carreira e com quase 12 anos de serviço na ativa, deixei as fileiras do Exército em 1994, com o propósito de dedicar-me a trabalhos voltados para a pesca amadora no Pantanal, por pura paixão.

Em maio de 1996 mudei-me para a Colônia Cachoeira, às margens do rio Apa e, de imediato, o intuito foi de fundar uma Colônia de Pescadores Esportivos. Construímos nossa casa e, a partir de agosto do mesmo ano, passamos eu, minha família e amigos a preparar o que viria a ser o Pesqueiro Paraíso do Apa - a fonte de renda de todos os futuros associados.

Em 1999 passei a viajar por este nosso país divulgando e incentivando o pesque e solte, o nosso querido rio Apa e o turismo para a Colônia Cachoeira, no município de Porto Murtinho (MS).

Mais importante mesmo é que nos encontros, reuniões, palestras, enfim, os debates principais abordaram a importância em "fazermos" alguma coisa e não só esperarmos medidas do governo. Queremos preservar o peixe? Então façamos a nossa parte. Pensar globalmente sim, mas agir localmente, começando por nós mesmos - essa sempre foi a mensagem. Nosso esporte depende do peixe, que depende da água, que depende das matas, que depende da conscientização e da educação ambiental, que depende... de nós! Tudo recai na ação do homem. Então façamos a nossa parte, cada um a sua - esse sempre foi o raciocínio.

De 2000 a 2004 viajei por todo o estado de São Paulo e algumas cidades do sudeste de Minas Gerais.

Em 2001 iniciei a implantação da modalidade pesque-e-solte para o rio Apa, com várias ações de conscientização da população ribeirinha, encontros, cursos e palestras, gravações de matérias com a Rede Globo (Programa Terra da Gente) e outras emissoras (programas Caminhos do Brasil, Caminhos da Pesca, Pesca do Baleia), além de revistas especializadas (Revista Pesca Esportiva, Revista Pescador, Revista Pesca). As ações continuam até os dias de hoje.

Em 2003, com alguns moradores da Colônia Cachoeira já simpatizantes do pesque-e-solte e outros acreditando mais ainda nas novas oportunidades, fundamos a Colônia de Pescadores Esportivos do Rio Apa (APPATur) e iniciei, com alguns amigos paulistas que frequentavam o rio Apa, os trabalhos para a organização da Confraria de Pescadores Esportivos "Amigos do Rio Apa". Essas duas entidades passaram a compor importantes grupos de discussões sobre o desenvolvimento da pesca esportiva no Brasil, além de trabalhar para a educação ambiental em todos os sentidos. A empresa Pesqueiro Paraíso do Apa foi encerrada. Depois disso as únicas pescarias que fazíamos no rio Apa eram exclusivamente para gravação de imagens para o futuro programa de TV. Assim mantínhamos uma renda mínima aos membros da APPATur. Fundei a N3 Turismo, em sociedade com o empresário Cleber Veroneze na cidade de Maringá-PR, para agenciamento de pescarias em diversos destinos no Brasil, inclusive para o Barco Hotel Moza Bonita. Neste ano ainda, realizamos o I TORNEIO FEMININO DE PESCA ESPORTIVA DO RIO APA, com cobertura pela Rede Globo de Televisão, como mais uma importante ação no incentivo das famílias a apoiarem o turismo de pesca puramente esportiva no Apa e, conseqüentemente, inibir as práticas predatórias que já vinham ocorrendo em larga escala no rio Apa, principalmente nas corredeiras do "Cachoeirão". Outras duas edições do torneio foram realizadas (2004 e 2005).

Em 2005 escolhemos a região sul do país para as nossas viagens de divulgação da pesca esportiva, da Confraria e da APPATur (Colônia de Pescadores Esportivos do Rio Apa), ministrando palestras em clubes e associações, promovendo e participando de encontros de pescadores. Na região do rio Uruguai organizei os encontros e discussões entre as várias Associações de Amigos do Rio Uruguai para a fundação de uma OCIP para trabalhar em prol da preservação da bacia do rio Uruguai. E, a bem da verdade, todo o trabalho foi muito mais consistente do que nos anos anteriores. Tudo graças ao convite e os incentivos dos Confrades Mauro Pasqualon e Neuri Garghetti, ambos de Concórdia-SC que me pediram ajuda na mobilização em prol da preservação do rio Uruguai e seus afluentes.

Ainda em 2005 colocamos no ar o Programa de TV Pesca Sem Fronteiras, inicialmente veiculado por uma afiliada do SBT em Chapecó-SC. Depois, em meados de 2006 através da TVO em Sumaré-SP, afiliada da rede Séc XXI e pela Rede de TV Opinião de Araras-SP, além das matérias também comporem quadros especiais em um outro programa, o "Tudo de Bom", em uma afiliada do SBT na cidade de Pontes e Lacerda-MT. No final do ano, outras duas emissoras passaram a veicular o programa, TVi de Itabuna-BA e TV Cidade de Votorantin-SP. Abrimos ainda negociações para algumas outras emissoras, em diversas partes do país. E pela internet o programa está sendo veiculado e com muito sucesso, com a graça de Deus e a assiduidade dos internautas.

Em 2006, apesar de um longo período destinado à tratamento de saúde, incluindo uma cirurgia, numa feliz coincidência, também fui convidado pela turismóloga Inaiá Aline Leal Rodrigues a visitar uma das regiões menos conhecidas do Rio Guaporé, no Mato Grosso, divisa com a Bolívia, e passei a prestar assessoria para a implantação de um complexo turístico (pesca esportiva, eco-turismo e turismo rural) no município de Vila Bela da Santíssima Trindade, uma iniciativa do empresário Juliano Leal Rodrigues e sua esposa Daniela do Prado, com apoio de toda a família, principalmente do patriarca Rui Serrador. O empreendimento foi inaugurado em setembro de 2006 e agora a "Pousada Paço das Onças" é uma das grandes parceiras e faz parte do grupo de trabalho do Pescador de Jaú.

Outro importante acontecimento a ser registrado foi o reencontro com a mega-publicitária baiana Elza Maria Silva Oliveira em março de 2006, com quem me casei em dezembro do mesmo ano e que, numa parceria inovadora, aceitou tomar o comando de todas as atividades e, assim, acelerou e dinamizou os trabalhos do Programa Pesca Sem Fronteiras e do Pescador de Jaú.

Em 2007 eu e minha mulher Elza, que deixou as universidades onde trabalhava, passamos a trabalhar e viajar juntos. O programa passou a ser veiculado também na região norte e noroeste do Paraná, para 89 municípios e 92 pequenas localidades, através da RTV Canal 10.

Em 2008 nos mudamos em definitivo para a Colônia Cachoeira, onde passamos a maior parte do tempo no rio Apa. Eu, parte do tempo em repouso, outra parte reorganizando os planos de ação da APPATur e apresentação das novas metas, gravando matérias para a TV, fazendo a manutenção e recuperação das instalações existentes na propriedade da família para a implantação definitiva do estúdio de TV e Agência de Publicidade e de Turismo Pesca Sem Fronteiras//Rio Apa Pesca Esportiva, onde inclusive instalamos nova ilha de edição juntamente com o acesso à internet via satélite (ago 08). Passamos a operar e atender aos clientes e telespectadores exclusivamente pela internet. Elza, que também é pedagoga, ficou na administração dos trabalhos e focada na melhoria da educação dos moradores, onde fundou um clube de leitura e passou a orientar a população para cobrar o cumprimento da LDB (Leis de Diretrizes e Bases da Educação). Tentou, mas por questões políticas não foi contratada para lecionar na Colônia Cachoeira, como estava nos planos. Isso só veio a ocorrer em 2009 e trouxe uma verdadeira revolução na metodologia de ensino local, pois até então só contava com professores leigos. Elza também faz parte da diretoria da Associação de Moradores local.

Hoje atuamos em várias frentes de trabalho com vistas à preservação do rio Apa e ao desenvolvimento local, à melhoria da qualidade de vida dos moradores:

1 - na pesca esportiva promovendo a educação ambiental e gerando renda;

2 - na TV e Internet que veiculam as matérias gravadas durante as pescarias;

3 - na escola da Colônia, com o trabalho da professora Elza;

4 - na Associação de Moradores da Colônia Cachoeira;

5 - na APPATur

Muitos obstáculos surgiram, com certeza, mas de tudo aprendemos um pouco, amadurecemos mais. Mas tantas e tantas coisas boas aconteceram também, assim, não por acaso, mas por uma verdadeira e doce conspiração. Saudações aquarianas a todos!

Tópicos de alguns dos trabalhos realizados

> Pescador de Jaú e Entidades em favor da Preservação do Rio Uruguai, com participação da Confraria

> Santa Catarina: Entidades se unem para socorrer o Rio Uruguai, com a ajuda da APPATUr e da Confraria. Pescador de Jaú fez palestra durante jantar em Chapecó-SC

> Também foram promovidos encontros de pescadores em várias outras cidades do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, com palestras e apresentações audio-visuais, a saber: Guarapuava-PR, Itá-SC, Pinhalzinho-SC, São Miguel Doeste-SC, Ribeirão Preto-SP, Jaboticabal-SP, Olímpia-SP, Catanduva-SP, Franca-SP, entre outras, tudo em 2005.

> Em quase todas as cidades visitadas também foram prestadas entrevistas em rádios e noticiários locais (jornais e TVs) a cerca do ideal da Confraria para a Pesca Esportiva como fator de desenvolvimento sustentável e preservação ambiental.

Trabalhos do Pescador de Jaú em 2006:

> Pescador de Jaú ministrou palestras em faculdade, em Itabuna (Bahia). Na Facsul, sob olhares atentos de Mestres, Doutores e alunos, João Carlos abordou o tema "Desenvolvimento Sustentável através de ações integradas entre a sociedade e a iniciativa privada". A pauta foi dirigida aos universitários dos cursos de graduação em Administração de Gestão Ambiental e Jornalismo; foi citada a experiência vivida na Colônia Cachoeira (MS), onde se fundou a Colônia de Pescadores Esportivos do Rio Apa para promover o desenvolvimento da comunidade local.

> Pesca Sem Fronteiras grava programa em Ilhéus, no circuito Jorge Amado.

> Outros trabalhos ver no Diário, nesta mesma seção.

Copyright © 2005 João Carlos "Pescador de Jaú" Todos os direitos reservados Gestão Ativa - Soluções Web