Pescaria e passeio nota 10 a bordo da antiga Chalana Moza BonitaVoltar

ecopescaMB_inesq-16

Marcão (EcoPesca) foi comprovar.

Curtir as maravilhas da Natureza do Pantanal e também a fartura de peixes do Rio Paraguai são coisas que deixam qualquer pescado louco para estar lá foi assim que Marcão fez se dirigiu para cidade de Porto Murtinho, último município do Mato Grosso Sul, o Pantanal Sul-Matogrossense. Esta cidade faz fronteira com o Paraguai. Marcão foi atrás dos pacus, pescando de batida, usou iscas naturais, como melancia do mato, laranjinha, tucum (coquinho) e massa de trigo e também visitou Puerte Olimpo, no Paraguai.

Marcão e equipe partem no Barco-Hotel Moza Bonita atrás dos briguentos pacus. No Rio Paraguai você pode desfrutar das belezas naturais e de um pôr-do-sol dos mais lindos, em Fuerte Olimpo, lado paraguaio, existe um forte de mesmo nome que foi inaugurado em 1790, como o Paraguai na época era dominado por espanhóis, seria uma forma de se proteger contra os possíveis ataques de portugueses que habitavam o Brasil naquela época, nesse forte também se realizou a Guerra do Paraguai.

O Rio Paraguai nasce na Chapada dos Parecis, Mato Grosso, tem uma extensão total até sua foz, de 2.621 quilômetros. No Rio Paraná, trecho brasileiro, é aproximadamente 1.693 km das nascentes à desembocadura do Rio Apa, e de Corumbá a Cáceres tem uma extensão de 720 quilômetros.

Marcão começa arremessar de batida, jogando três vezes e na quarta vem deixando afundar, o pacu vem com tudo abocanhar a massinha e veio um bom exemplar.

Há vários espécimes de Pacus. Os maiores são o pacu-caranha que pode atingir 70 centímetros de comprimento e pesar até 20 quilos. Os Pacus são encontrados nas Bacias do Prata, Amazônica, Araguaia-Tocantins, e São Francisco. No Pantanal vivem próximos às margens dos rios principalmente sob árvores frutíferas, alimentando-se dos seus frutos. São muito brigadores e os pescadores gostam de pegá-los no anzol.

No Rio Paraguai, existem várias ilhas de vegetação formadas principalmente por aguapés aqui são constituídos os camalotes, verdadeiros viveiros de peixes e outros animais, são locais preferidos dos pacus, e Marcão agora usa laranjinha e captura mais um belo peixe.

Nas horas que não se está pescando um belo passeio no lado do Paraguai é a Ilha Marguerita, que fica em frente à cidade de Porto Murtinho, para se chegar lá só navegando de chalanas, nessa ilha também se pode fazer compras de produtos importados.

Marcão faz mais um arremesso, agora usando o tucum (coquinho), e joga embaixo de uma árvore cheia desses frutinhos e captura mais um pacu bonito.
Na região de Porto Murtinho, o Rio Paraguai é de grande piscosidade, propícios para a prática da pesca, lá tem muitos hotéis-fazenda, pousadas, prática de turismo rural.
A fauna e a flora daquela região são consideradas umas das mais ricas e variadas do mundo.

O Rio Paraguai é rico em variedade de peixes, não é só o turismo que traz uma grande atividade econômica para a região do Pantanal, há também a agricultura que é rica em soja, milho, algodão, arroz e cana-de-açúcar e a pecuária.

Marcão continua sua pescaria em busca dos pacus nesse belo Rio Paraguai, natureza é o que não falta aqui, transmitindo muita paz, além de curtir as maravilhas das aves que sobrevoam o local, e faz outro arremesso agora usando a melancia do mato e pegou outo bom pacu.

O Rio Paraguai é lendário e muito importante, além da pesca, há o transporte de chalanas e outras embarcações para passeios de turistas, como diz na letra damúsica de Almir Sater e Sérgio Reis. "Lá vai a chalana, bem longe se vai. Vai buscar o remanso do Rio Paraguai".

O Pantanal antigamente era chamado de Mar de Xaraés, devido aos índios de mesmo nome que habitavam o local antes da colonização branca, porque na época das chuvas a região se transformava num grande mar de água doce.

Agora Marcão pescou em lugar onde há vários tuiuiús. Ela é a ave símbolo do Pantanal. É parente da cegonha européia e quando adulta pode chegar a pesar 10 quilos. O tuiuiú, também pode ser chamado de jaburu, e é considerada a maior ave da América do Sul. Ela se alimenta de peixes, moluscos, insetos, répteis e pequenos mamíferos.

Marcão deu vários arremessos de batida perto dos camalotes e entrou outro pacu, o mais bonito dessa pescaria e pesou cerca de 4 quilos.




Download

Copyright © 2005 João Carlos "Pescador de Jaú" Todos os direitos reservados Gestão Ativa - Soluções Web