RIO APA (MS) - Equipamentos e dicas por períodos Voltar

Jaú no rio Apa Pescador de Jaú Pesca Sem Fronteiras

A prática da pesca esportiva no rio Apa se efetivou plenamente a partir de meados de 1996, quando João Carlos - o Pescador de Jaú - chegou na região. Desde então, organizou-se toda uma logística e infra-estrutura básica para atender aos turistas que desejam conhecer o rio.

Importante: para se fazer uma pescaria no rio Apa com mínimo de risco de errar, e para não incorrer em desrespeito à lei vigente, aconselhamos uma consultoria especializada de quem conhece bem a respeito. Não abuse da sorte.

Rio Apa - Informações gerais

É um rio de águas rasas e límpidas na maior parte do ano, que corre entre serras, o que por sua vez, na época das chuvas seu nível oscila muito, sobe e baixa rapidamente. Suas matas ciliares são virgens na maioria, com apenas pequenos pontos de acesso para o gado das fazendas da região;

É de difícil navegação quando de seu nível mais baixo, pois possui várias corredeiras, pedreiras e cascalheiras com degraus, carecendo de guias treinados para tanto, disponíveis no local;

O rio Apa é a linha divisória (fronteira) entre Brasil e Paraguai

É o principal afluente do rio Paraguai no quesito Piracema (subida de peixes), dado o seu perfil de corredeiras e suas características geográfica e geológica bastante peculiares;

O trecho mais piscoso do rio é a porção que fica abaixo do local conhecido como Cachoeirinha.

Há também uma grande corredeira, com vários saltos sucessivos, com até 3 metros de altura, conhecida como Cachoeira Grande ou simplesmente "Cachoeirão". Neste local é proibido pescar (Lei federal). Esta corredeira se forma exatamente onde as águas do rio Perdido se juntam às do rio Apa. O local é, naturalmente, um obstáculo à passagem dos cardumes para a parte acima da Cachoeira;

O acesso aos pontos mais piscosos do rio Apa é feito pela sua desembocadura (foz), através do rio Paraguai. O ponto de partida para o rio Apa é a cidade de Porto Murtinho-MS;

Apesar de ser possível pescar no Apa hospedando-se em pousadas na cidade, o ideal é utilizar Barco Hotel que estaciona próximo à foz do Apa, assim economiza tempo de navegação até os melhores pontos de pesca e tem melhor aproveitamento dos dias de pesca. É mais cômodo e mais econômico. Temos barcos hotéis com tradição em pescarias na região, com guias especializados e conhecedores. Conheça cada um deles, clicando abaixo:

>> Barco Hotel Xaraié I
>> Barco Hotel Xaraiés II
>> Barco Hotel El Paraíso

MARÇO

PEIXES MAIS ATIVOS: jaús, pintados, cacharas, palmitos, jurupecéns, barbados e pacus; excepcionalmente, em curtos períodos em que o rio permanece com o nível baixo, também é excelente para dourados e demais peixes de escama;

ISCAS MAIS UTILIZADAS: minhocaçu é a principal (pega de tudo); iscas brancas (do próprio rio, incluindo mandis e pequenos armaus que são excelentes para jaús, iscados junto com a minhoca), muçum, tuvira; frutas da região como genipapo, goiaba, araçá, manga, acerola e bolinhas de macaúba;

VANTAGENS: raramente a pescaria corre o risco de ser pouco produtiva, pois nessa época os peixes estão retornando da desova, a água fica com temperatura ideal onde a atividade dos peixes é intensa, pouco importando o nível ou a cor da água;

DESVANTAGENS: bastante calor e poucas vagas nas Expedições de pesca, necessitando fazer reserva com bastante antecedência;

RECOMENDAÇÕES EXTRAS: levar roupas de tecidos leves, camisas de manga comprida, protetor solar, repelentes, chapéus de palha ou bonés com protetor de nuca, óculos de sol polarizados, ingerir muito líquido e evitar ao máximo expor a pele diretamente ao sol, principalmente nos primeiros dias;

EQUIPAMENTOS: Anzóis de haste curta 3/0 e 4/0 para pacus; anzóis tipo norueguês 5/0, 6/0, 7/0 e 8/0 para jaús, pintados, cacharas, barbados e dourados; linhas 0.50 mm para os peixes menores e linhas 0.80 a 1.00 mm para os grandes jaús; chumbadas de 30 a 400 gramas; giradores médios; empates de cabo de aço flexível 45 a 90 libras (melhor deixar para empatar os anzóis no local, com a ajuda dos piloteiros, pois variam conforme o local e o peixe a ser pescado);
> Para pintados, cacharas e pacus: varas de ação média com carretilhas e ou molinetes que comportem até 100 metros de linha 0.50 mm;
> Para jaús: varas com molinetes e ou carretilhas que comportem mínimo de 100 metros de linha 0.80 mm (preferência para varas sem emendas);

Observação: sempre é bom trazer tralha mais leve, linhas mais finas, anzóis menores para pescarias de jurupecéns, muito ativos e de muitas ações no período, entre outros peixes menores;

ABRIL E MAIO

PEIXES MAIS ATIVOS: dourados, pacus e outros peixes de escama menores; excepcionalmente, quando o período de chuvas se estende, também costumam comparecer pintados e cacharas

ISCAS MAIS UTILIZADAS: Minhocaçu; iscas brancas (do próprio rio) que são excelentes para os dourados, muçum, tuvira; filé de corimba; coração de boi; bolinhas de macaúba ou de trigo misturadas a ingredientes de cheiro forte (queijo, suco em pó); caranguejo;

VANTAGENS: a demanda por vagas na pousada é menor, o que favorece fazer reservas com menor antecedência, podendo-se prever melhor as condições climáticas; temperaturas mais amenas a noite, porém elevadas durante o dia;

DESVANTAGENS: raramente ocorre de o rio estar cheio e com a água suja, porém caso ocorra neste período, atrapalha bastante a produtividade da pescaria; em maio fica sujeito a algumas frentes frias;

RECOMENDAÇÕES EXTRAS: levar agasalhos leves e também de meia estação, repelentes e chapéus;

EQUIPAMENTOS: Anzóis de haste curta 3/0 e 4/0; anzóis tipo norueguês 5/0, 6/0, 7/0 e 8/0; linhas 0.30 mm a 0.60 mm; chumbadas de 30 a 100 gramas; giradores médios; empates de cabo de aço flexível 45 a 60 libras (melhor deixar para empatar os anzóis no local, com a ajuda dos piloteiros, pois variam conforme o local e o peixe a ser pescado);
> Para pintados, cacharas, pacus e dourados: varas de ação média com carretilhas e ou molinetes que comportem até 100 metros de linha 0.50 mm;

Observação: sempre é bom trazer tralha mais leve, linhas mais finas, anzóis menores para pescarias de piraputangas, piaus e piaparas, muito ativos e de muitas ações no período, entre outros peixes menores;

JUNHO E JULHO

PEIXES MAIS ATIVOS: pacus, dourados, piaparas, piauçus, piaus e piraputangas;
raramente se fisgam pintados e jaús;

ISCAS MAIS UTILIZADAS: filé de corimba, pedaços de peixe, bolinhas de massa, milho azedo, coração de boi, tuviras, muçum, outros peixes vivos, minhocaçu;

VANTAGENS: temperatura amena, rio com água limpa (com raríssimas exceções), grande número de animais silvestres às margens do rio para contemplação; ótimo para se pescar em cevas; dias bastante agradáveis, com a necessidade de bons agasalhos durante a noite;

DESVANTAGENS: risco de frentes frias, com maior incidência em junho, onde normalmente a temperatura baixa um bocado, ao que, nestes casos, em havendo incidência de vento sul, a pescaria fica limitada;

RECOMENDAÇÕES EXTRAS: levar também agasalhos extras e repelente;

EQUIPAMENTOS: Anzóis de haste curta 3/0 e 4/0; anzóis tipo norueguês 5/0, 6/0, 7/0 e 8/0; linhas 0.30 mm a 0.60 mm; chumbadas de 30 a 100 gramas; giradores médios; empates de cabo de aço flexível 45 a 60 libras (melhor deixar para empatar os anzóis no local, com a ajuda dos piloteiros, pois variam conforme o local e o peixe a ser pescado);

> Para pintados, cacharas, pacus e dourados: varas de ação média com carretilhas e ou molinetes que comportem até 100 metros de linha 0.50 mm;

Observação: sempre é bom trazer tralha mais leve, linhas mais finas, anzóis menores para pescarias de piraputangas, piaus e piaparas, muito ativos e de muitas ações no período, entre outros peixes menores;

AGOSTO E SETEMBRO

PEIXES MAIS ATIVOS: pacus, dourados, piaus e piraputangas; destaque para piauçus e piaparas; raramente se fisgam pintados e jaús até meados de setembro;

ISCAS MAIS UTILIZADAS: filé de corimba, pedaços de peixe, bolinhas de macaúba ou de massa, milho azedo, coração de boi, tuviras, muçum, outros peixes vivos, minhocaçu;

VANTAGENS: rio com água limpa, muito produtiva para os piauçus; facilmente se avistam (a olho nú) cardumes subindo o rio; raramente ocorrem frentes frias; não há risco de o rio mudar seu nível de uma hora pra outra; muitas praias à beira do rio; grande número de animais silvestres para contemplação, principalmente aves às margens do rio; ótimo para se pescar em cevas; noites bastante agradáveis e calor forte durante o dia;

DESVANTAGENS: rio baixo, de difícil navegação sem a presença de guias treinados;

RECOMENDAÇÕES EXTRAS: levar chapéus, repelente, protetor solar roupas de meia estação, camisas de manga comprida; ingerir muito líquido;

EQUIPAMENTOS: Anzóis de haste curta 3/0 e 4/0; anzóis tipo norueguês 5/0, 6/0, 7/0 e 8/0; linhas 0.30 mm a 0.60 mm; chumbadas de 30 a 100 gramas; giradores médios; empates de cabo de aço flexível 45 a 60 libras (melhor deixar para empatar os anzóis no local, com a ajuda dos piloteiros, pois variam conforme o local e o peixe a ser pescado);
> Para pintados, cacharas, pacus e dourados: varas de ação média com carretilhas e ou molinetes que comportem até 100 metros de linha 0.50 mm;

Observação: sempre é bom trazer tralha mais leve, linhas mais finas, anzóis menores para pescarias de piraputangas, piaus e piaparas, muito ativos e de muitas ações no período, entre outros peixes menores;

OUTUBRO

PEIXES MAIS ATIVOS: pacus, dourados, piaus e piraputangas e todos os demais peixes de escama; destaque para piauçus, corimbatás e piaparas; normalmente em meados de Outubro já comparecem os cacharas, pintados e jurupocas; jaús também comparecem nos anzóis no final do período;

ISCAS MAIS UTILIZADAS: filé de corimba, pedaços de peixe, bolinhas de macaúba ou de massa, milho azedo, coração de boi, tuviras, muçum, outros peixes vivos, minhocaçu;

VANTAGENS: rio com água limpa, muito produtiva para a maioria dos peixes, tanto de escamas como de couro; raríssimas vezes ocorreram frentes frias neste período nos últimos anos; se o rio encher, muito melhor para a pescaria; grande número de animais silvestres para contemplação, principalmente aves às margens do rio;

DESVANTAGENS: bastante calor e poucas vagas na única pousada existente abaixo do Cachoeirão, necessitando fazer reserva com bastante antecedência; rio baixo em boa parte do período;

RECOMENDAÇÕES EXTRAS: levar chapéus, repelente, protetor solar, roupas de meia estação, camisas de manga comprida; ingerir muito líquido e evitar ao máximo expor a pele diretamente ao sol, principalmente nos primeiros dias;

EQUIPAMENTOS: Anzóis de haste curta 3/0 e 4/0; anzóis tipo norueguês 5/0, 6/0, 7/0 e 8/0; linhas 0.30 mm a 0.60 mm; chumbadas de 30 a 100 gramas; giradores médios; empates de cabo de aço flexível 45 a 60 libras (melhor deixar para empatar os anzóis no local, com a ajuda dos piloteiros, pois variam conforme o local e o peixe a ser pescado);
> Para pintados, cacharas, pacus e dourados: varas de ação média com carretilhas e ou molinetes que comportem até 100 metros de linha 0.50 mm;

Observação: sempre é bom trazer tralha mais leve, linhas mais finas, anzóis menores para pescarias de piraputangas, piaus, piaussus e piaparas, muito ativos e de muitas ações no período, entre outros peixes menores.

João Carlos "Pescador de Jaú"


Copyright © 2005 João Carlos "Pescador de Jaú" Todos os direitos reservados Gestão Ativa - Soluções Web